sexta-feira, 10 de abril de 2015

HORIZONTE




Meu grito silencioso é assustador
Do tiro deflagrado no escuro
Injusto e covarde que me atingiu pelas costas
Perfurou o meu lado esquerdo
E o sangue escorrendo denúncia meu caminho
Vermelho sobre a branca areia da praia
Tentativa de esconder-me a espera de ajuda
Assustado só queria fugir sem rumo e sem destino
Mas com um único objetivo de parar e descansar
Apenas com um olhar vazio do infinito limite
Encontro do céu e o mar
Perseguido, seguido não permitindo que dormisse
Faminto e aflito corria em desespero perdido
Abrigar-me na cidade em meio à multidão só trouxe solidão
No campo desilusão e frustração
A cada dia doía ainda mais a ferida fazendo o sangue jorrar
Queria poder suportar a dor para poder esquecer
Quanto mais apertava: menos cicatrizava, menor a esperança
Procuro o remédio, a cura para estancar a hemorragia
Que leva minha força e minha fé
Não destruiu a minha alma que mesmo cambaleante
Insiste em levantar-me após cada tropeço
Conduzindo-me em direção ao mar
Na praia além das colinas
Refugiando sob o vento na escuridão da noite
Despertando por um aquecido amor
Que me faz procurar um horizonte!

Wagner Pires

Nenhum comentário: