segunda-feira, 18 de maio de 2015

MUNDO ENFURECIDO




Anti-rugas
Anti-sinais
Anti depressão
Anti-aéreo
Ataques do ar
Para massacrar
Destruir
Escondidos num bunker
Abrigo anti bombas
Estúpida vida
Monótona rotina
Agressão
Opressão
Fingindo alegria
Camuflada em palavras
Sem vontade de sair
Conflitos
Ficam em seu refúgio
Encolhendo como tecido
Só assistindo
E o mundo vai girando
Preso e marcado
Semblante apagado
Sinais do tempo
Dor sofrida
Numa incessante corrida
Onde está o benefício
Neste seu ofício
Ficam escritos em relatos
Contando os fatos
História
Sempre se repete
Quem se importa
Pela cidade morta
Sem cura
Sempre à procura
Num antimicótico
Ou antibiótico
Mundo nada macrobiótico
Carnívoros
Devorando como vermes
Infiltram pela pele
Consomem a memória
Da carta precatória
Lembranças
Lambanças
Uma atrás da outra
Mente louca
Menti
Insana
Para arrumar desculpa
De quem é culpa
Por mais que tente
invente
Ação aparente
Outra inexistente
Falta o recurso
E vai morrendo neste percurso
Enfurecido
Sem ver nada parecido
Tudo muito esquisito
Não tem requisito
Qualquer um
Tanto faz
Outro ficando para traz
Definhando
Aéreo
Distraído na depressão
Esmorecido
Dormente sem ação
Retrata sua idade nos sinais
Rugas espalhadas pelo rosto
Seco
Sem água nos mananciais

"Abrirei rios em lugares altos, e fonte no meio dos vales; tornarei o deserto em lagos de águas, e a terra seca em mananciais de águas."
Isaias 41:18


Wagner Pires

Nenhum comentário: